sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Para ode

Para  Mary Barbosa
Amar, amar ...
E não amar ninguém!
A vida me ensinou
Que não se deve amar
A quem não tem amor para dar.

Quando esses versos de Florbela entrou na minha vida
Descobrir também de súbito:
O amargo sabor da desilução.

Spacou o meu peito
Aturdiu o meu pensar,
Confundiu os caminhos,
Restou-me apenas um grito
sem ninguém para escutar!

Hoje ao menos me sinto forte.
Entendo que a vida pode ser uma primavera colorida,
Basta saber cantá-la sempre florida.
Amando sempre, mas sabendo a quem.

Mas, afinal, a quem eu quero enganar?

Entrevista com Ronaldo Correia de Brito

Para mim

Fonte da imagem clique here




















Moro numa casa, onde não habita ninguém.
Fico de lado em todos os  seus lados.
No vazio de minha intimidade:
Vinho, inventivos prelúdios, clímax...
Undergroud diante o espelho.


terça-feira, 9 de novembro de 2010

Arte da palavra


A palavra unida ao som
Na expressão do artista
Compõe insólita magia de sensações
Eterniza dores;
Forja  amores;
Lapida paixões.

Faz do velho criança,
Da Tempestade bonança,
Ultrapassa Dimensões
Do além, do bem, do AMÉM.

Também é ofício de fingir,
E ser sempre um eterno aprendiz
Na arte de emocionar.

Cada momento tem seu ritmo.
O pensar e guiado por um tom.
Toda atitude imprime uma palavra:
Ora orvalho, flor, pedra, barro
Na sua missão.
Joelson Santos Santiago

domingo, 7 de novembro de 2010

Aspectos gerais do romantismo

   Um dos aspectos mais identificados e destacados do romantismo (como escola literária) é sua extremada valorização das emoções (sentimentalismo). Esse momento literário é didaticamente demarcado pelo período que vai  de 1836 (Ano do laçamento da Revista Niterói), até 1871, ano da morte do poeta Castro Alves. Essa periodização, trata-se de um das mais importantes no que tange a tomada de consciência da nossa particularidade nacional, resultando, por isso uma busca de afirmação de elementos que representasse a cor local. 

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

I Concurso de Poesia – Revista Literária 2010

       O Portal Revista Literária, juntamente com o Sindicato dos Escritores do Distrito Federal e a  Scortecci Editora, estão organizando o I Concurso de Poesias Revista Literária – Edição 2010, para autores brasileiros, maiores de 16 anos, residentes no Brasil. Inscrições até 30 de novembro de 2010. Prêmios: Publicação dos trabalhos em Antologia. Mais informações clique aqui.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Quanto vale ou é por quilo? De Sergio Bianchi

O filme Quanto vale ou é por quilo? é um filme bastante polêmico com uma linguagem documental e ficcional e com imagens fortes, ele faz uma analogia com o comércio de escravo e a solidariedade hoje tão evidenciada e tão explorada como obra de consumo e de status social, com linguagem de interpretações dúbias. O filme Quanto vale ou é por quilo? torna-se uma obra que de bastante valor, que não foi aproveitada como deveria com mais divulgação. Esse filme é um perspicaz trabalho de denuncia do sistema de exploração da miséria humana através da corrupção que impera nas intituladas Organizações não Governamentais. O filme apresenta a raiz do processo de exploração do povo, através da justaposição de imagens do período escravocrata(dentro de uma adaptação do conto Pai contra Mãe de Machado) com o nosso, marcado pelas famigeradas ONG’S, que serve de mecanismo para manutenção de uma elite que ainda se beneficia da mesma forma como no regime de escravidão nesse país. Essa é uma obra valiosa para perceber é égide do processo de marginalização do povo, a violência e a corrupção tão latentes em nosso país.


Por Léo Silva e J. Santhiago