sexta-feira, 9 de agosto de 2013


Gabriela na telinha e o “peso” do autor
Por Aline Greice Vilela Costa e Joelson Santiago
           
            O ano de 2012 foi marcado por homenagens realizadas para o eterno Amado. Entre elas, um remake da telenovela Gabriela exibida pela Rede Globo. A primeira versão em vídeo-tape (1975) chama atenção por evidenciar, em seu material publicitário impresso, a intérprete de Gabriela: Sonia Braga, sem fazer referência ao autor da obra literária em cartazes de divulgação. Na publicidade da segunda, apresenta-se como uma homenagem ao centenário de um dos maiores escritores do Brasil, citando-o na primeira linha da chamada.  
          Várias questões podem ter influenciado a omissão da emissora nos anúncios dos anos setenta. Nessa década, vive-se a censura imposta pelos militares, os quais já tinham promovido, em Salvador, a queima pública de exemplares de Capitães da Areia (1937) do escritor.  Amado não tinha uma recepção positiva por muitos da crítica, apesar do sucesso com o público. Também nesse momento a TV brasileira ganha espaço significativo, já não é preciso legitimar as telenovelas pela associação ao literário... Em ambas as exibições, verifica-se o “peso” da vinculação ao autor para divulgação nos contextos distintos.
           
Imagens 1975:
REIMÃO, Sandra. Livros e televisão: correlações.

Imagem 2012:
http://37gabriela.wordpress.com/2012/08/19/hello-world/



Dia de estreia, a Globo apresentou anuncio com destaque para os atores e citando a autoria, apenas, na penúltima linha da chamada.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário